"AMAR É QUANDO A ALMA MUDA DE CASA..."
MÁRIO QUINTANA.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Minha Memória...



Minha memória tem nomes
Tem rostos e alguns sobrenomes
Tem sentimentos recolhidos
Tem lugares preferidos...
Minha memória tem alguns vínculos indissolúveis 
E outros definitivamente infinitos
Ela tem emoção ilimitada e razão indefinida
Tem um jeito todo próprio de recordar
E de desenhar minha vida

Minha memória é seletiva

Ela tem vínculos definitivos
E desejos incompreensivos
Lembra do que acha me fazer bem
e evita o que não faz

Me relembra coisas que eu nem queria mais...
Minha memória tem vontade própria
Tem arquivos de cheiros e gostos
De lugares e rostos
E me impõe visitar e recordar
Ela me leva por jardins do passado
Onde colho flores de saudade
Que preferia deixar de lado...

...É que ela não deixa o laço desfazer

Por isso não consigo me livrar de reviver.

8 comentários:

Maria Teresa Fheliz Benedito disse...

Querida Paula, que poema perfeito, eu adoreiii!
Maravilhoso e é bem assim mesmo a nossa memória.
Você descreveu de verdade o que a memória é.
Parabéns querida Paula e um beijo em seu coração.

Maria Alice Cerqueira disse...

Boa Noite amiga,
Vim agradecer a sua presença lá no meu cantinho, seja sempre muito bem vinda ao mundo magico do coração!
Tenha uma linda semana coberta de muita paz e Amor!
abraço amigo!
Maria Alice

♥♥♥Ani♥♥♥ disse...

Oi Paula querida


E relembrar as vezes é maravilhoso.


Que seu final de semana seja maravilhoso.
Beijos
Ani

Álvaro Lins disse...

Excelente poema!
A memória é isso que tão bem descreveu em poema:)!
Abraço

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Minha memória também tem vontade própria...
Deus te cubra de bênçãos e te faça feliz!!!
Bjs festivos de paz

O Profeta disse...

Tão triste nasceu hoje o Verão
Tão agreste sopra este colérico vento
Tão molhada está esta verde terra
Tão cinza está um coração em desalento

Mentem os que disserem que perdi a Lua
Os que profetizaram o meu futuro de luz
Mentem os que acharam que não me visto de sentimento
Os que acham que apenas a mentira seduz

Acolhi no olhar todas as coléricas vagas que alcancei
Abracei uma roseira e senti o golpe dos espinhos
Senti o aroma errante das hortênsias
Numa viagem por sete caminh

Bom fim de semana

Doce beijo

♥♥♥Ani♥♥♥ disse...

Oi Paula querida

Acho que já deixei um comentário anterior, mas ao reler não posso deixar de comentar...

Lindo, lindo, lindo!!!!

Beijos
Ani

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
É preciso sermos seletivos para a memória sim para não nos deixarmos abater pelo desamor...
Estou indo pra uma Missão além fronteira e só retorno daqui a um mês...
Passando hoje pra informar para que vc não fique preocupada com o meu "sumiço", viu???
Entretanto, deixo post programado em todos os Blogs...
Na volta, retribuirei os comentários deixados, se Deus quiser!!!
Fiquemos com a Deus da paz!!!
Bjs fraternos