"AMAR É QUANDO A ALMA MUDA DE CASA..."
MÁRIO QUINTANA.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Janela da memória


O que seriam as lembranças se não um papel de parede grudado no painel da nossa memória, cheio de assinaturas de pessoas que marcaram nossa história, repleto de informações e detalhes do que fomos e do que gostaríamos de ter sido...Lembranças de lugares, pessoas, sabores, cheiros e amores que nem sempre queremos ou temos prazer em relembrar...
Memória... Janela para o passado, por vezes nos mostra belas paisagens...Floridas, iluminadas, lembranças boas, risadas gostosas, lembranças deliciosas e refrescantes como um sorvete num dia de verão, só em visitá-las nos renovam a alma e nos arrancam um sorriso dos lábios, onde estivermos...
Em outras, vemos paisagens áridas, secas, sem vegetação, sem cor, noite sem estrelas, lembranças tristes e amarguradas, desamor, retrato da decepção...Marcas que não fecham, cicatrizes que não desaparecem...
Iindependente da paisagem, a janela nos pertence, as lembranças fazem parte de nós, nos ajudou a crescer, nos ensinou a viver... Nos fez sorrir e nos fez chorar... Ajudou a construir quem somos... Precisamos tirar das lições, um aprendizado e delas algum proveito, pois nunca conseguiremos de fato apagá-las...

20 comentários:

Meire disse...

Lindo Paulita querida!!! São as memórias boas ou ruins que nos faz ser exatamente quem somos hj.
:)
bjokitas recheadas de amor e carinho pra ti!!!

Ricardo Miñana disse...

Hola Paula, muy bonitas tus letras llenas de recuerdos,
tienes un bello espacio.
un abrazo.

Verinha disse...

Realmente do que se foi vivido não há como apagarmos.. apenas retirarmos as lições devidas e deixar guardadas as boas lembranças de um tempo vivido!

Beijokinhas super em seu coração Paula!

Verinha

Will disse...

Ah, Paula, tua pena tem cumplicidade com o coração, teus suspiros de saudade provaram isso.

Ótima 3ª feira para você!

Adriano César Curado disse...

Que seria de nós sem a memória dos fatos que marcaram nossa vida?! Precisamos abrir sempre nosso arquivo mental para de lá retirar as experiências que nos orientarão daqui para frente. Linda a sua postagem, meus parabéns.

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Recomeçar. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Paula Moraes disse...

Obrigada pela visita de vocês meus queridos...=)
Um lindo feriado a todos.
Bjs

Verinha disse...

Olá Paula..
a mensagem a que se refere, o endereço é:

http://recantodaverinha.blogspot.com/2011/10/desvios.html

:)

Catia Bosso disse...

Lembrar é nutrir amor ao que passou né!!!! Bela, saudações poeticas pra ti!

bjsss meuss

Zilani Célia disse...

OI PAULA!
UM LINDO TEXTO,E MUITO REFLEXIVO, NOS FAZENDO ENTENDER QUE AO ABRIRMOS NOSSA JANELA DE SONHOS E REALIZAÇÕES, ESTÁ TUDO ALI, PORQUE SÓ A NOS PERTENCEM,E SÃO PARA SEMPRE, PARTE DE NOSSA HISTÓRIA.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com/

Zilani Célia disse...

OI PAULA!
A MEMÓRIA É NOSSA PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A VIDA, É ELA QUEM NÃO NOS DEIXA ESQUECER DE NOSSAS VIVÊNCIAS, BOAS OU MÁS, NOS PERMITINDO,SER SELETIVOS PARA NOVAS ESCOLHAS.
http://zilanicelia.blogspot.com/
ABRÇS

Verinha disse...

Olá Paula!
Não adiantou muito não rsrsrs.. sei lá o que se passa com este blog.. pensei que com um novo, tudo daria certo.. mas engano meu.. é lista de sites que sigo que não aparece... são seguidores que não vejo... ixiiii.. já desisti de tentar entender tudo por aqui rsrsrs.. enfim... vou deixar como está.. não tem outro jeito.

Beijão imenso em seu coração...
Verinha

Zilani Célia disse...

OI PAULA!
EU ESTOU TE SEGUINDO,DEPOIS DE MUITAS TENTATIVAS.
JÁ DEIXEI COMENTÁRIOS MAIS DE UMA VEZ EM TEU BLOG, E QUANDO VOLTO, NÃO OS VEJO PUBLICADOS, NÃO SEI PORQUE, MAS ENFIM QUERO QUE SAIBAS QUE TENHO VINDO TE VISITAR.
http://zilanicelia.blogspot.com/
ABRÇS

♥♥♥Ani♥♥♥ disse...

Passei pra te desejar um dia maravilhoso e para agradecer todas as vezes que você carinhosamente esteve visitando meu blog.
Espero que volte em breve...

Beijos
Ani

http://cristalssp.blogspot.com

Ricardo Miñana disse...

Hola Paula, pasaba a saludarte,
que tengas un feliz fin de semana.
un abrazo.

#MeuUniversoParalelo disse...

lindo post, memórias são as únicas coisas que levamos para o resto da vida
beijos, boa semana! :D

Severa Cabral(escritora) disse...

Aproveto a janela da memoria para deixar desejos de uma semana fenomenal para ti ...
bjssssssssssss

Jesus te ama! disse...

OI PAULINHA,AMIGA QUE SAUDADES!! VIM BLOGAR E CONFERIR AS NOVIDADES FAZ UM TEMPINHO QUE NÃO PASSO POR AQUI, É O TEMPO MUITO CORRIDO, VOU TENTAR SER MAIS PRESENTE LEGAL ESTE TEU ESCRITO LINDO COMO SEMPRE EXISTEM FERIDAS QUE PODEM ATÉ CICATRIZAR MAS AS MARCAS FICAM PRA SEMPRE ABRAÇO AMADA! AMIGA TENHA UM BELO FIM DE SEMANA

O Profeta disse...

Uma cama amarrotada pela passagem do amor
Lençóis que aprisionam o calor
Suspiros espalhados pelo chão
Uma imagem santificada sustenta o louvor

Uma pecadora ungida pela chuva
A sorte e a morte em bravata eterna
As ave marias que uma boca vomita
Para no céu ser, clemente a sua pena

Já não há xailes negros na ilha
Já ninguém liga a agoiros
O mar continua açoitar a costa
Deixando despojos, tesouros

Bom domingo

Terno beijo

cecilia silva disse...

daquilo que vivemos sempre tiraremos alguma coisa com certeza